PCS | Plataforma para o Crescimento Sustentável

Think tank que visa contribuir para a afirmação de um modelo de desenvolvimento sustentável, num quadro de ampla participação nacional e internacional

in english

Sessões de Apresentação e Discussão do Relatório para o Crescimento Sustentável

conferências

 

A Plataforma para o Crescimento Sustentável (PCS), constituída em Outubro de 2011, é uma associação independente e sem fins lucrativos que se comprometeu em produzir um Relatório para o Crescimento Sustentável, no quadro de uma ampla participação pública e do envolvimento de think-tanks e peritos nacionais e internacionais.

 

Durante mais de um ano, ouvimos dezenas de especialistas nacionais e internacionais, realizámos centenas de reuniões, produzimos milhares de páginas de diagnóstico e de recomendações e beneficiámos da incalculável generosidade do trabalho voluntário dos mais de 400 membros da PCS. No Relatório para o Crescimento Sustentável – Uma visão pós-troika, apresentado em Dezembro de 2012, identificámos 27 desafios estratégicos e 511 recomendações que consideramos importantes para libertar o potencial de crescimento de Portugal.

 

Não podemos iludir-nos, como desde sempre esta Plataforma tem alertado, quanto à verdadeira dimensão dos nossos problemas. O défice e o endividamento, sendo muito graves, são apenas uma parte do problema português.

 

A consolidação orçamental, sendo condição necessária, não é condição suficiente para o crescimento. Precisamos de um novo modelo de desenvolvimento e não apenas de um resgate económico-financeiro.

 

Quando encaramos os outros défices e as outras dívidas - produtividade baixa, terceira maior taxa de abandono escolar da UE, elevadas dependência energética e intensidade energética, grave dependência alimentar do exterior, baixo nível de investimento privado em investigação e desenvolvimento, competências reduzidas dos nossos jovens nas áreas da leitura, matemática e ciências, níveis intoleráveis de desigualdade social, de imobilidade social e de pobreza, lentidão no sistema de justiça, sinuosidade de regras no ordenamento do território - facilmente se constata que estamos perante um desafio de maior dimensão do que aquela que se intui dos debates focados nas urgências do presente.

 

É tempo de assumirmos que o nosso problema é estrutural, que não resulta apenas da falta de financiamento externo e que não se resolverá sem uma alteração radical do nosso modelo de desenvolvimento.

 

Assim, para além do atual cumprimento dos compromissos externos assumidos com a União Europeia e com o Fundo Monetário Internacional, consideramos absolutamente indispensável preparar uma visão pós-troika que liberte o potencial de crescimento de Portugal em torno de 5 vetores principais: aprofundar a democracia e a participação cívica, reforçando a confiança dos cidadãos nas instituições e no próprio sistema político; afirmar uma nova estratégia de responsabilidade orçamental, mais estrutural e mais alinhada com o crescimento; avançar para transformações estruturais e investimentos seletivos e reprodutivos nas áreas que constituem as verdadeiras alavancas do crescimento – conhecimento e empreeendedorismo, economia verde e política industrial; contribuir para a refundação do projeto europeu, enfrentando, corajosa e estruturalmente, e não tímida e parcelarmente, a maior crise europeia desde o pós-guerra; e assumir as nossas responsabilidades em prol da equidade e da coesão social.

 

A apresentação deste Relatório é um ponto de partida, não é um ponto de chegada. Estamos empenhados em promover, nos próximos meses, um amplo debate, a decorrer de um modo descentralizado por todo o território nacional. Esta é a nossa visão mas estamos empenhados em torná-la mais nítida beneficiando da análise crítica e do contributo de todos.

 

Calendário de Sessões Públicas de Discussão

das 511 recomendações formuladas no Relatório para o Crescimento Sustentável

  • Dia 8 de Março – 15h30: Universidade da Madeira
  • Dia 14 de Março – 14h30: Conselho Económico e Social
  • Dia 18 de Abril – 15h00: Universidade Lusíada do Porto (integrada no 3º Seminário Anual da FCEE, no Porto)
  • Dia 18 de Abril – 18h00: Universidade do Minho 
  • Dia 2 de Maio – 18h00: Universidade do Porto 
  • Dia 14 de Maio – 10h00: Universidade Técnica de Lisboa (integrada no Ciclo de Conferências do ISCSP sobre a Reforma do Estado)
  • Dia 23 de Maio – 17h30: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro 
  • Dia 26 de Junho – 17h30: Ordem dos Engenheiros, Lisboa

 

A próxima discussão sobre as recomendações deste Relatório acontecerá no Congresso para o Crescimento Sustentável, a realizar no dia 9 de Novembro. Participe! 

  

Clique aqui para saber mais sobre o Relatório para o Crescimento Sustentável: uma visão pós-troika